Como evitar overfitting?

Não existe uma bala-de-prata para evitar overfitting. Boas práticas na condução de procedimentos experimentais, aliado ao entendimento do significado desse fenômeno, 99-ou-overfitting
contribuem para amenizar esse indesejável problema. Seguem alguns pontos a considerar para combater o overfitting.

treinar com mais dados

Se a máquina de aprendizagem usada é complexa, em termos da quantidade de parâmetros a ajustar, uma alternativa é adquirir mais dados com o intuito de equilibrar a quantidade de parâmetros versus a quantidade de instâncias de treinamento. Ou, simplesmente, deve-se escolher uma máquina mais simples, que tenha menos parâmetros.

validação cruzada

Uma das formas de realizar validação cruzada é usar o procedimento k-fold cross-validation. Nesse procedimento, o conjunto de dados é dividido em k partes, aproximadamente do mesmo tamanho, das quais, k-1 partes são usadas para treinar o modelo e a parte restante é usada para avaliar o modelo. Esse processo é repetido k vezes, de forma que cada parte será usada tanto para treinar como para avaliar o modelo. De maneira geral, a validação cruzada, por si só, não evita overfitting, mas segue uma boa prática ao separar o conjunto de teste e ao realizar um revezamento dos dados para uma melhor avaliação, no que tange a generalização do modelo em instâncias não vistas. Uma observação: o k-fold cross-validation não é uma boa opção quando o conjunto possui poucos dados.

parar o treinamento mais cedo (early stopping)

Máquinas de aprendizagem, tais como redes neurais artificiais, árvores de decisão, deep learning, entre outras, aprendem iterativamente. A cada passo, a máquina ajusta seus parâmetros aos dados e isso pode ser monitorado. Pode-se usar esse monitoramento para decidir qual é o melhor momento de interromper o treinamento da máquina. Espera-se que a precisão no conjunto de treinamento aumente com o tempo, mas, em relação ao conjunto de validação, a acurácia deve atingir um pico e depois cair. Esse pode ser um bom momento para frear o treinamento, antes que a máquina se sobreajuste aos dados.

regularização

Regularização é um conceito amplo que envolve várias técnicas com o propósito de produzir modelos que melhor se ajustem aos dados, evitando overfitting. Um exemplo é o procedimento de poda em uma árvore de decisão. Esse consiste em eliminar alguns “galhos” que, uma vez removidos, reduzirá a árvore, tornando-a mais simples e menos específica às instâncias de treinamento. Outros exemplos de técnicas de regularização envolvem dropout em redes neurais e adição de parâmetros de penalização na função de custo.

ensemble

Ensemble learning, ou sistema de múltiplos classificadores – SMC -,  combina as saídas de vários modelos com o intuito de melhorar a resposta final do sistema. Os SMCs têm alcançado resultados melhores do que o uso de modelos isolados. Esse sucesso deve-se a divisão de tarefas que é o espírito dessa área. Baseado no princípio de dividir-para-conquistar, cada modelo que compõe o SMC é treinado com parte do conjunto de treinamento e, consequentemente, acaba por se tornar um especialista nessa porção. Essa estratégia ajuda a amenizar o overfitting, e além disso, é robusta à presença de ruído nos dados.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s