Atribuições do orientador

Vários fatores podem influenciar a busca pelo título de doutor, ou de mestre, e esses fatores são classificados em internos e externos. Motivação, autoestima e confiança são exemplos de fatores internos. Dentre os fatores externos, é possível citar: vida pessoal, financiamento da pesquisa, estrutura do departamento, além, claro, da supervisão/orientação.

De todos os fatores, a supervisão é o mais importante para se alcançar o sucesso almejado pelas instâncias envolvidas: aluno, orientador, programa de pós-graduação e sociedade.

O trabalho de supervisionar o aluno é atribuição do orientador (tipos de orientador). A relação do orientador com o orientando varia de orientação para orientação. Cada aluno possui características particulares que devem ser levadas em consideração durante o progresso da pesquisa. Mas, independente dessas especificidades, podem-se listar algumas atribuições/propriedades de uma boa orientação, tais como:

Dedicação/Disponibilidade: refere-se ao tempo que o orientador dispõe para trabalhar com o estudante. É imprescindível que tenham reuniões regulares, assim, o orientador pode aferir o andamento da pesquisa e o amadurecimento do aluno, e o aluno pode ser aconselhado mais rapidamente. Dicas para o aluno: i) antes da reunião, envie um relatório reportando os avanços alcançados, bem como as limitações/desafios, e, ii) sempre, ao final de uma reunião, envie um email/ata registrando o que foi discutido.

Condução/Opiniões precisas: a pesquisa é uma tarefa mal-definida (ill-posed problem) que pode gerar ansiedade e sensação de estar andando em círculos. Um bom orientador deve ser capaz de i) auxiliar o aluno a desbravar esse ambiente recheado de incertezas, e ii) dar opiniões precisas sobre alternativas para os percalços que sucedem durante a pesquisa. Também é papel do orientador sugerir um redirecionamento da pesquisa caso perceba que uma “rua sem saída” se avizinha. Esse acompanhamento, constante e próximo, tem por objetivo verificar se a tese será finalizada no prazo, além de informar, de maneira clara, caso tenha chegado o momento de interromper a parceria.

Suporte/Relação de apoio: é senso comum que, para orientar, é necessário conhecimento técnico aprofundado na área da pesquisa. Sem tal conhecimento, o orientador fica impossibilitado de guiar o aluno nos meandros da pesquisa. Mas, apenas dominar técnicas e métodos não é suficiente. O bom orientador deve dispor de algumas características pessoais que facilitem sua comunicação com os orientandos. Ele deve inspirar o aluno e ser um entusiasta na pesquisa, além de ser respeitoso e altruísta. Tais características permitem que o aluno sinta-se mais seguro em relação aos desafios da pesquisa e, também, ajudam-no a desenvolver habilidades fundamentais para sua vida profissional.

Mesmo correndo o risco de ser redundante, reforço que é atributo do orientador revisar e avaliar relatórios, artigos e teses de seus orientandos em um prazo viável. Se um artigo, uma proposta de tese ou mesmo uma tese ou dissertação ainda não tem a qualidade necessária para ser submetido aos avaliadores, o orientador tem o dever de comunicar isso ao aluno e, também, de ajudá-lo indicando o que é preciso ser melhorado.

Por outro lado, vale salientar que o aluno deve estar ciente que o orientador possui várias atividades, além da orientação. Assim, o aluno deve escrever seu documento de uma maneira que facilite a vida do orientador e que lhe desperte o desejo de ler aquele documento o quanto antes. Mas, as atribuições dos alunos é assunto para outro post.

É papel do orientador manter a sinergia durante o fluxo de trabalho. Não é papel do aluno provar para o orientador que ele consegue fazer pesquisa sozinho, pois, se assim fosse, o orientador seria desnecessário. A pesquisa deve ser desenvolvida em conjunto, é uma parceria na qual o aluno está sendo treinado para realizar pesquisa de alto nível. Desse modo, a qualidade do processo de supervisão pode ser definida como uma função que mede a interação entre orientador e orientando.

Afinal, orientadores disponíveis, que deem opiniões precisas e que mantenham uma relação profissional saudável, podem ser decisivos na formação da próxima geração de pesquisadores.

Uma consideração sobre “Atribuições do orientador”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s